Docker: Overview

Sou muito apologista da metodologia “set it and forget it”, configurar as coisas uma vez e reutilizar vezes sem conta a mesma configuração, infraestrutura. Abstrairmos de tal forma, que o foi configurado sirva para o uso geral da nossa aplicação ou projeto. Isto é muito giro, mas pouco realista se tivermos em mente a montanha de projetos e aplicações que estão montadas por Portugal (e não só) a fora.

Tipicamente, a forma como eu fazia, seria criar uma máquina virtual (principalmente em virtualbox) montava a infraestrutura da forma que queria e depois trabalhava sobre ela e partilhava a imagem com quem quisesse. Apesar de funcionar a solução não era em nada elegante, tinha uma imagem com cerca de 20GB, com um sistema operativo (que poderia estar ou não a usar as suas potencialidades), mais o conjunto de ferramentas e ainda tinha que me preocupar com as configurações de rede (para estar exposto para fora da máquina virtual) e ter mounting points para poder partilhar ficheiros entre o host e a máquina virtual. Quem já fez isto pelo menos uma vez sabe a chatice que dá.

Continuar a ler

API REST com Spring Boot (parte 2)

Nesta segunda parte, vamos então adicionar ao nos- so projecto um sistema que nos permita criar logs personalizados sobre o acesso à nossa API.

Sempre que desenvolvemos uma aplicação, devemos logo de inicio tratar de providenciar um bom sistema de logs já que ele é uma parte fundamental, seja durante o desenvolvimento, seja durante a operação da aplicação. É através das mensagens de log (em ficheiro ou no ecrã) que podemos determinar o que realmente está a acontecer na nossa aplicação e mais rapidamente determinar a origem de qualquer problema.

Continuar a ler

JavaFX: Passos Seguintes

No artigo anterior dei uma breve introdução sobre como programar com JavaFX, conceitos simples que permite começar a desenvolver aplicações gráficas. Neste artigo vou explorar outros temas interessantes do ponto de vista de desenvolvimento e de manutenção de projetos de software com interfaces gráficas de desktop.

Ao longo da minha carreira já desenvolvi e participei em projetos de software de raiz, mas grande parte dela foi a manter e a melhorar aplicações legacy, e deixem-me que diga que existem programadores muito imaginativos. Um dos temas que mais urticária me causa é o facto de o software desenvolvido não poder ser mantido com facilidade, e ao ripple effects das alterações simples que são realizadas.

Continuar a ler

Um bot para Telegram com o jogo da velha (Jogo do Galo)

Num mundo com tantas aplicações de chat instantâneo, o Telegram destaca-se pela rica API que disponibiliza para criação de bots. Os bots são pequenos programas que podem interagir com os utilizadores e prestar serviços, como executar comandos, gerir arquivos ou imagens e até mesmo propor jogos!

Há já algum tempo que a comunidade Python explora bibliotecas como a Telebot e mais recentemente, a Telepot. Embora a diferença no nome das duas seja apenas uma letra, o desenho da Telepot parece-me mais robusto e o melhor de tudo: integra chamadas assíncronas!

O objetivo deste tutorial é mostrar como criar um bot assíncrono, usando a Telepot em Python 3.6. Ele é divido em quatro partes: por que assíncrono? obtenção da chave para rodar o bot, criação do bot, o jogo da velha em si (com minimax).

Continuar a ler

Automação do Azure com Windows PowerShell Desired State Configuration

Hoje em dia a automação ajuda muito e é extremamente importante para alguns processos de gestão e administrativos. Um dos principais problemas da automação é não ser aceite por todos. A tecnologia não deve ser usada para substituir ninguém mas sim para ajudar.

Vou mostrar como podem fazer automação com o Windows PowerShell. O Windows PowerShell é uma linguagem scripting da Microsoft que estava reservada aos seus produtos mas isso mudou o PowerShell agora é OpenSource e o código está disponível no GitHub em https://github.com/PowerShell/PowerShell sendo assim possível utilizar em outros sistemas operativos da Apple e Linux. Se pretendem experimentar primeiro tem de instalar o Dot NET Core (https://www.microsoft.com/net/core) e depois o Windows PowerShell (https://github.com/PowerShell/PowerShell/releases/).

Continuar a ler

O problema do casamento estável utilizando o algoritmo Gale-Shapley

Introdução

O problema do emparelhamento estável (stable marriage problem), é de forma resumida o problema de encontrar um emparelhamento estável entre dois elementos de dois conjuntos de elementos, dada a ordem de preferências de cada elemento do conjunto.

Este problema é normalmente apresentado da seguinte forma: Dados n Reis e n Damas de um conjunto de cartas, cada Rei e cada Dama estabelece uma ordem de preferência para cada um dos elementos “opostos” (reis ou damas), com quem gostaria de estabelecer um “relacionamento”, ou por outras palavras, tomar um café e trocar uns bytes de código! Os pares são estabelecidos de forma a que os pares de elementos opostos prefiram estar “juntos” no par estabelecido, do que estar com qualquer outro elemento. Quando não existirem pares que cumpram estes requisitos o conjunto de pares é considerado estável.

Continuar a ler

O problema da falta de GPIO pins

Introdução

Numa esmagadora maioria dos circuitos usados em IoT e em automação de uma forma geral, como o caso do Arduino/Genuino, existem algumas limitações em termos de pinos analógicos, que nos podem complicar a tarefa de ligar sensores. Por exemplo, no Arduino/Genuino Uno, apenas são disponibilizados 6 pinos analógicos que vão de A0 a A5, respetivamente.

Continuar a ler

Padrão de arquitetura SOLID

Introdução

Existem diversas orientações para programação orientada por objectos, no entanto, neste artigo apenas iremos focar SOLID com exemplos em C#.

SOLID é um acrónimo dos cinco primeiros princípios da programação orientada a objetos e design de código identificados por Robert C. Martin Este mesmo acrónimo foi introduzido por Michael Feathers, após observar que os cinco princípios poderiam se encaixar nesta palavra.

O que significa S.O.L.I.D. ?

  • S – Princípio de Responsabilidade Única
  • O – Princípio Open Close
  • L – Princípio de Substituição Liskov
  • I – Princípio de Segregação de Interface
  • D – Princípio de Inversão de Dependência

Continuar a ler

A arte, o engenho e muita diversão!

A Arte

Programar pode ser uma arte, apesar de ser uma acção e não necessariamente uma “expressão” no sentido mais conservador. Nesse caso um programa seria “uma forma de arte” e consequentemente os developers seriam artistas.

Ainda assim, isto nem sempre é observado desta forma! Numa atitude quase que “patológica” ou “desenquadrada” pro- gramar é muitas vezes visto como um ofício, uma tarefa, um trabalho e não propriamente uma forma de arte! Por exemplo e sem divagar muito, ensinam-se artes plásticas, expressão dramática, música, etc… nas escolas, no entanto ainda não existe de forma “massificada” a programação como matéria de ensino e estudo! Ainda que pareça precoce ver os mais novos a aprender a programar, certo será admitir que hoje em dia qua- se todos sabem usar um tablet, ou mesmo um computador!

Continuar a ler