A (des)informação

Quando um projecto web2.0 surge, e parte de utilizadores individuais e anónimos para que sejam eles os próprios agentes de produção de informação, obviamente nas áreas em que para tal se sentem mais à vontade, todos estranham e se inquirem como poderão os autores do projecto ter a ilusãoque tal alguma vez resultará ou, impossibilidade absoluta, vir ainda a ser creditado como fonte de informação crível. Foram estas e muitas outras as incertezas que infernizaram, decerto, o começo de um dos primeiros, e agora mais bem- sucedidos, projectos da web. Continuar a ler

Iniciação ao Assembly x86: Aspectos teóricos

Este tutorial pretende ensinar os procedimentos básicos de programação em linguagem Assembly para processadores x86 em ambientes GNU/Linux.

Para quem não está familiarizado, GNU/Linux é um sistema operativo modelado no UNIX. A parte GNU refere-se ao projecto GNU (GNU’s Not Unix, http://www.gnu.org/), iniciado em 1983 por Richard Stallman, com o objectivo de criar um sistema operativo livre. Em 1991/1992, o projecto GNU já tinha desenvolvido a maior parte das aplicações essenciais para criar um sistema operativo livre, faltando o kernel (núcleo do sistema). Neste momento surge o Linux, um kernel baseado na arquitectura UNIX, desenvolvido por Linus Torvalds, um estudante finlandês. Com a integração dos dois projectos, surge o GNU/Linux, um sistema operativo livre e de código fonte aberto.

Continuar a ler

Grafos – 1ª Parte

Introdução: O que é um grafo

O leitor certamente que já ouviu falar em grafos. São amplamente usados em matemática, mas sobretudo em programação.

Formalmente, um grafo é uma colecção de vértices (V) e uma colecção de arcos (E) constituídos por pares de vértices. É uma estrutura usada para representar um modelo em que existem relações entre os objectos de uma certa colecção.

Pense nos vértices como “locais“. O conjunto dos vértices é o conjunto de todos os locais possíveis. Nesta analogia, os arcos (ou arestas) representam caminhos entre estes locais. O conjunto E (vou usar o termo mais comum – “E” do inglês “edges“) contém todas as ligações entre os locais.

Utilizar grafos é de grande utilidade na representação de problemas da vida real.

Continuar a ler

Revista PROGRAMAR nº 10 — Setembro 2007

A décima edição desta revista é mais do que um número redondo a ser festejado, representa um passo em frente na experiência de leitura desta vossa revista. Portanto, nesta edição, para além de conteúdo com a qualidade que vos temos habituado, procedemos também a alterações de estrutura e aparência que decerto irão reparar.

Para além disso, poderão ler e aprender sobre os fundamentos teóricos necessários para a iniciação ao Assembly, como correr as vossas aplicações .NET em GNU/Linux com o Mono, a utilização de grafos para solucionar problemas complexos de programação, IPSec como protocolo de segurança IP e a serialização de objectos em Java, entre muito mais.

Muitas outras páginas têm alterações a nível de conteúdo que, em nossa opinião, tornam esta revista mais profissional e apelativa.

Até daqui a dois meses, então.