O começo de uma nova etapa

Em Julho de 2007, já lá tão longe no tempo regular, mas tão perto na escala temporal da revista Programar, há portanto 9 edições, quase 2 anos, algo aconteceu na revista Programar. A sua primeira grande mudança havia ocorrido e a sua estabilidade seria posta à prova nas futuras edições. Isto porque uma das principais figuras deste projecto, o seu primeiro coordenador Sérgio Santos, acabava, não de abandonar, que projectos destes não se abandonam, mas sim passar o seu cargo juntamente com todos os seus conhecimentos acumulados ao longo de mais de ano e meio à frente deste projecto… a mim. Continuar a ler

Cloud Computing

Introdução

O cloud computing é uma das mais importantes tendências tecnológicas dos próximos tempos. Mas o que é afinal cloud computing? Não existe ainda uma definição clara, se quiser um exemplo disso faça esta pergunta a cinco pessoas ligadas à tecnologia e provavelmente irá obter cinco ou até mais respostas diferentes.

Existem opiniões que dizem que tudo o que está fora da firewall é cloud computing, ou seja, um simples webservice pode ser considerado cloud computing. Esta resposta até faz sentido porque na realidade o processamento desse webservice ocorre fora do nosso computador. No entanto, cloud computing é muito mais do que isso.

Essencialmente trata-se de afastar completamente a computação e os dados dos computadores de secretária e portáteis, e simplesmente mostrar ao utilizador os resultados da computação que ocorre numa localização centralizada (grandes datacenters) e é transmitida via internet para o ecrã do utilizador. Mais ainda, é potenciar a interacção entre o software, que neste paradigma reside na nuvem, através de serviços. Estaremos então a voltar à época dos terminais “estúpidos”? Iremos tentar perceber a resposta a esta pergunta mais à frente neste artigo, mas neste momento torna-se necessário perceber as mudanças que ocorreram no passado para perceber o porquê dessas mudanças no futuro.

Continuar a ler

Algoritmo de Verhoeff

Na edição 16 da Revista PROGRAMAR em Outubro de 2008 foi publicado o artigo Algoritmos para o Cálculo de Dígito Verificador que descreveu o cálculo de dígito verificador para códigos de identificação a partir dos métodos de módulo 10 e 11. Além dos algoritmos já apresentados existem outros mecanismos para cálculo e obtenção de dígitos verificadores, podendo-se destacar o algoritmo de Verhoeff, tema deste artigo.

O algoritmo ora apresentado foi desenvolvido por Jacobus (Koos) Verhoeff, matemático holandês para sua tese de doutorado em 1969 (GARCIA, et. al., 2007, p. 47). Verhoeff escreveu um algoritmo capaz de operacionalizar sequências de dígitos decimais de qualquer tamanho, evitando desta forma a ocorrência de erros de dados (HAMMING, 1986, p.27) e de transposição de dígitos adjacentes quando efectuados por utilizadores humanos (WAGNER & PUTTER,1989), tais como:

  • Substituir um dígito por um outro dígito. Por exemplo, invés de informar os dígitos 5678 acaba-se por informar 4678, onde o dígito que deveria ser 5 foi substituído pelo dígito 4. Este tipo de erro ocorre quando se acciona no teclado uma tecla adjacente à tecla que deveria ter sido realmente accionada. Ocorre em cerca de 60% a 90% dos casos.
  • Omissões ou adições de dígitos. Este tipo de erro ocorre normalmente por falta de atenção do utilizador. Ocorre em cerca de 10% a 20% dos casos.
  • Trocar da ordem entre dois dígitos. Por exemplo, invés de informar os dígitos 5678 acaba-se por informar 6578, onde os dígitos 56 foram trocados pelos dígitos 65. Este tipo de erro ocorre quando se escreve muito rápido em um teclado. Ocorre em cerca de 10% a 20% dos casos.

Continuar a ler