Revista PROGRAMAR nº 55 — Março de 2017

A Revista PROGRAMAR está de volta com mais uma edição. Desta vez temos como tema de capa o artigo Docker: Overview, da autoria de Nuno Cancelo. Adicionalmente, nesta edição poderá encontrar mais 15 artigos, que listamos de seguida:

  • API Rest com Spring Boot (parte 2) (José Martins)
  • JavaFX: Passos Seguintes (Nuno Cancelo)
  • Um bot para Telegram com o Jogo da velha (Jogo do Galo) (Nilo Menezes)
  • Automação do Azure com Windows PowerShell Desired State Configuration (Ricardo Cabral)
  • O Problema do casamento Estável utilizando o Algoritmo Gale-Shapley (António Santos)
  • O Problema da falta de GPIO Pins (António C. Santos)
  • C# – Padrão de Arquitetura SOLID (António C. Santos)
  • SQL Curtas – SQL Curtas #2: Dúvidas Comuns (André Melancia)
  • Kernel Panic – A arte, engenho, e muita diversão (António Santos)
  • Análise ao livro C# 6 – PROGRAMAÇÃO COM PRODUTIVIDADE (Mónica Rodrigues)
  • Introdução à Programação com Python, Algoritmos e lógica de programação para iniciantes (António Santos)
  • Segredos de Numeração (André Melancia)
  • ShiftAppens 2017 (Filipa Peres)
  • Raspberry Pi Zero W (Rita Peres)
  • Interface Humano-Computador, Nanotecnologia e a dependência tecnológica (Augusto Manzano)

Clique aqui para fazer o download desta Edição!

long long ago; /* in a galaxy far far away */

O título até parece brincadeira, mas é sério! E compila em C99! E foi assim, há muito, muito tempo, que a primeira edição da revista, foi publicada, fazia o ano de 2006, não numa “galáxia muito, muito distante”, mas num URL perto de todos nós! E assim o tempo passa! Tal qual história de ficção engraçada ou de mitologia clássica, a revista volta até aos seus leitores, como uma “fénix renascida” do famoso Albus Dumbledore, retirada de um livro conhecido de todos, ou de quase!

Não vale a pena fazer “resumos do ano passado”, porque o passado é “história que contamos”, não é mais do que isso, nem menos do que isso aqui não se tentam contar histórias, pelo contrário, tentamos “fazer história”.

Fazer história é dar uso àquela que é uma das mais elementares capacidades do ser humano e que nos distingue dos restantes mamíferos, a capacidade de criar! Para alguns pode parecer estranho, mas programar é criar “novos mundos” escrevendo código, é como pintar um quadro, como esculpir uma peça, como escrever um livro, onde a sintaxe e a semântica devem fazer um sentido inequívoco.

Ouso dizer, sem querer ser demasiado ousado, que programar, sendo um verbo transitivo, pode significar mais do que apenas a divisão de um problema entregue a um equipamento eletrónico, em instruções que este aceite. Significará imaginar algo, construir esse algo “abstrato” mentalmente, e por fim descrever esse algo em instruções capazes de serem executadas por um equipamento. Assim, de certa forma poder-se-ia dizer que programar é tão importante como escrever, ler, sonhar, pensar, definir, controlar, fazer uma complexa miríade de tarefas, dentro e fora do âmbito criativo. Isso faria de todos os programadores, entusiastas, aspirantes a programadores, verdadeiros artistas!

Parafraseando algo que li num chat, faz algum tempo, “o nosso dever para com a vida, é aprendermos o que pudermos, ensinarmos o que soubermos, melhorarmos tudo em que tocamos, ajudar tudo o que conseguirmos, criar o que nos for possível e deixar tudo melhor do que encontrarmos, para os que vierem depois de nós”, não porque seja “socialmente correto” dizer tudo isto, mas antes porque um programador, é uma “mente inquieta”, uma “mente inquisidora”, “criadora”, artista e cientista, de bits e bytes descritos! E nesses bits e bytes, aquilo que outrora lemos como ficção, poderá ser algo imprescindível no dia a dia, do amanhã! Algo que faça a diferença, para alguém, ainda que pouca seja, será sempre alguma! Será o “sabre de luz, de um personagem de cinema, ou o comunicador da ficção de 1966. Quem sabe até a “Nimbus 2000” de atleta dos livros, numa competição desencantada, numa escola onde se chega de comboio a vapor, ou um simples rodapé, de um qualquer livro escrito.

Até à próxima edição, boas leituras!
António Santos