Cifras e mais Cifras

Neste artigo decidi “revisitar” um tema que sempre me despertou interesse e que tive de abordar num projecto que fiz em 2015. O objectivo era encriptar, de forma a que fosse possível desencriptar, dados, bastando para tal saber um conjunto de informações (identificador, chave e chave-mestra), uma vez que a cada dado, apenas corresponde um identificador (fechadura) e para se chegar à chave que acabará por abrir, são precisas duas chaves (chave e a chave-mestra). Quase como a caixa forte do tio patinhas e os irmãos metralha a tentar abrir, mas um pouco mais complexo!

Para fazer executar esta tarefa, o utilizador deve inserir um identificador, neste caso “porta”, um código a ser cifrado, uma chave para o cifrar e a respectiva chave par (chave-mestra). Quando pressionar o botão para cifrar, os dados introduzidos, serão utilizados para cifrar o “código” usando a chave e a chave-mestra, devolvendo o valor do código, cifrado.

Até aqui tudo é extremamente simples, a dificuldade, acontece quando se pretende cifrar um grande volume de dados usando “chaves diferentes”, para cada um deles, sem ter de estar a pensar e introduzir uma chave de cada vez. A solução encontrada pode ser pouco elegante, mas funciona!

[...]

Leia o artigo completo na edição 59 da Revista PROGRAMAR

Publicado na edição 59 (PDF) da Revista PROGRAMAR.