Raspberry Pi 3 Model B

Raspberry Pi 3 Model BDefinitivamente o Raspberry Pi veio para ficar. Na última edição da PROGRAMAR falamos de um novo membro da família, o Raspberry Pi Zero. Passados 3 meses, estamos a falar-vos de mais um novo membro. O Raspberry Pi 3.

A fundação que ultimamente nos tem habituado a ter novidades em curtos espaços de tempo, voltou a “surpreender” os seguidores mais fieis.

Se o Pi zero nos fazia voltar à simplicidade do circuito, o Pi 3 assume-se como o mais bem “preparado” da família, superando o seu antecessor o Pi 2, como alias, seria esperado.

Lançado em Fevereiro de 2016, a nível de forma, o Pi 3 é idêntico aos modelos anteriores e, como seria esperado, tem total compatibilidade com Raspberry Pi 1 e 2.

Ora, em termos práticos, o que é que isto significa? Continuamos a ter as seguintes características:

  • 4 portas USB
  • 40 pinos GPIO
  • Porta HDMI
  • Porta Ethernet
  • Jack de 3,5 mm de áudio e vídeo composto
  • Interface da câmera (CSI)
  • Interface de exibição (DSI)
  • Slot para cartão MicroSD (agora em versão push-pull em vez de push-push)
  • Núcleo gráfico VideoCore IV 3D

Então, pergunta o leitor, o que ganhámos nesta nova versão?

  • CPU 1.2GHz 64-bit quad-core ARMv8 (o Raspberry Pi 2 tem CPU 900MHz quad-core ARM Cortex-A7)
  • 802.11n Wireless LAN
  • Bluetooth 4.1
  • BLE – Bluetooth Low Energy (isto é, em comparação com o Bluetooth clássico, o Bluetooth Smart destina-se a fornecer um consumo de energia consideravelmente reduzido e de baixo custo, mesmo mantendo um alcance de comunicação similar).

O pequeno equipamento, ganhou velocidade e “comunicação”. O controlador Radio Wireless nesta versão merece o destaque uma vez que suporta Wifi 802.11n e Bluetooth Low Energy (BTLE) Broadcom BCM43438. Tenho que admitir que estes dois “upgrades” do Pi me encantaram, isto porque já estava habituada a ter o adaptador de Wifi a ocupar uma das portas USB. Com a inclusão deste módulo, o Pi passou a ter mais uma porta livre. Até porque a interface Wifi built-in, permite aos mais “entusiastas” criar facilmente um router baseado em Raspberry, fazendo o routing entre as duas portas (ethernet e wifi). (Mais um ponto a favor desta versão da fundação Raspberry.)

O ganho de desempenho é substancial face às versões anteriores, e a GPIO foi melhorada. A mesma, continua a suportar os protocolos das versões anteriores, mas tem melhor suporte e mais pinos.

Acerca da fonte de alimentação desta versão, esta apresenta-se-nos como uma alimentação de 2,5 A/5v (anteriormente tínhamos uma fonte de alimentação 1,8A/5v). Esta nova versão do Raspberry tem ainda uma antena de chip, onde anteriormente estavam os LEDs de estado (que se note que os LEDs continuam presentes nesta versão mas ao lado da slot microSD).

Um outro ponto que quero deixar ao leitor, e que pode ser visto na página oficial do fabricante  é um dos testes que foram efectuados à board, o MemTester.

Para os que não estão familiarizados com este teste, a própria página da element14 explica-nos que este se destina principalmente a diagnosticar/testar a memória RAM (Random Access Memory).

Para que as conclusões sejam mais claras e mais “justas” para todas as versões do pequeno Pi, o teste foi efectuado com um limite de 256MB. Isto porque o Pi, tem memória RAM partilhada com o processador de vídeo.

Assim, usando um comando Linux simples pode facilmente verificar-se quanto tempo demorou a testar 256MB de RAM em cada Raspberry Pi.

sudo time memtester 256M 1
ModeloTempo
1 Model B+76min 23.296s
2 Model B23min 39.070s
3 Model B8min 37.078s

Como nos diz o fornecedor, os números falam por si, e embora a velocidade RAM seja quase a mesma, isto é, pelo menos, 400MHz e evidentemente, o limite é em grande parte devido ao processador, isto significa então que temos um aumento de velocidade significativo. Neste caso, a PI 3 é 50 % mais rápido do que o Pi.

Para os mais curiosos, deixamos ainda uma outra nota… o overclock desta versão permite “puxar” a velocidade até 1.45 GHz e a memória dos 400MHz para os 500MHz sem perdas de estabilidade.

Em suma, o novo PI 3 tem maior poder de processamento e conectividade, o que o torna atractivo ao utilizador, quer seja o utilizador “comum”, quer seja programador, uma vez que nos vai permitir poupar tempo e dores de cabeça no desenvolvimento de possíveis aplicações, uma que que também nos permite “ligar-nos” mais rapidamente sem que seja necessário mais algum dispositivo externo. Este Raspberry trata-se de uma máquina com a qual podemos facilmente executar testes de segurança e análise de dados, pois tem um consumo de energia bastante baixo. Saliento ainda o facto de correr o Windows 10 IoT Core, sem dúvida mais uma mais-valia com que podemos contar (para os mais distraídos, o Windows 10 IoT Core é uma versão do Windows 10 desenvolvida especificamente para uso em dispositivos de baixo custo e dispositivos da Internet das Coisas. É uma nova versão dos sistemas antigos da Microsoft chamados de Windows Embedded). Assim, sendo este um equipamento de baixo custo, torna-se um aliado de peso, por exemplo, para projectos IoT (Internet das coisas).