Raspberry Pi em versão melhorada

algumas edições atrás falámos do Raspberry Pi, o micro computador que ganhava cada vez mais adeptos. Pois bem, desta vez o Raspberry Pi voltou com uma versão melhorada de si mesmo. Falamos, caro leitor, do modelo B+.

Raspberry Pi: modelo B vs modelo B+Para aqueles que não se recordam, as primeiras versões deste “brinquedo” (versão A e versão B) começaram a ser comercializadas em 2012, nascidas de uma colaboração entre a Universidade de Cambridge e a Fundação Raspberry Pi. Em 2014 vemos então esta parceria lançar uma versão melhorada do modelo B. Usando estas duas versões para comparativo, elas “pouco” diferem uma da outra; uma das diferenças que salta à vista é o facto do B+ ter agora quatro entradas USB, sendo que o seu homólogo tinha apenas duas.

Falando por experiência própria, quando o ano passado adquiri o modelo B, foi realmente algo desolador na primeira utilização, verificar que depois de ligar o rato e o teclado por USB, deixava de ter entrada para usar, por exemplo, uma simples pen. Claro que isto rapidamente foi ultrapassado com um pequeno investimento num hub USB que me permitiu usar, o rato, o teclado, o adaptador do wifi e uma pen ao mesmo tempo. O Raspberry Pi B+ vem dar resposta a esta necessidade do utilizador comum.

Outra das diferenças que salta à vista do utilizador mais comum é o facto da entrada SD ter dado lugar à mini SD, o que permite que nesta versão não fiquemos um com terço do cartão SD de “fora” como acontecia na versão anterior. Outro dos melhoramentos é o facto da entrada de 26 pins GPIO ter dado lugar a uma entrada com 40 pins. Tendo em conta que os primeiros 26 continuam iguais, todos os projectos feitos utilizando a versão B são compatíveis com esta versão melhorada. Esta novidade permite uma maior versatilidade nos projectos informáticos e electrónicos a que frequentemente vemos o Pi associado.

Function/GPIO J8 Pin Function/GPIO
3.3V 1 2 5.0V
GPIO2 3 4 5.0V
GPIO3 5 6 0V
GPIO4 7 8 GPIO14
0V 9 10 GPIO15
GPIO17 11 12 GPIO18
GPIO27 13 14 0V
GPIO22 15 16 GPIO23
3.3V 17 18 GPIO24
GPIO10 19 20 0V
GPIO9 21 22 GPIO25
GPIO11 23 24 GPIO8
0V 25 26  GPIO7
(GPIO0) ID_SD 27  28 ID_SC (GPIO1)
GPIO5 29 30 0V
GPIO6 31 32 GPIO12
GPIO13 33 34 0V
GPIO19 35 36 GPIO16
GPIO26 37 38 GPIO20
0V 39 40 GPIO21

Nesta versão, as melhorias do áudio também não passaram despercebidas, sendo que o circuito áudio dispõe de uma fonte de alimentação de baixo ruído, facilitando ainda mais o uso desta funcionalidade (a versão anterior por defeito trazia o áudio desligado, sendo que o utilizador é que reabilitava essa função). E por falar em fontes de alimentação, o novo B+ tem um menor consumo de energia. Esta é inclusive uma das novas características mais destacadas pelos seus criadores. Segundo a Fundação, o novo Pi tem um consumo de energia reduzido na ordem dos 0,5W e 1W. Esta melhoria é sentida principalmente nos projectos que utilizam baterias, pois ganham alguma vantagem na sua autonomia.

Melhorias à parte, continuamos a ter o mesmo processador, o ARM1176JZFS, que é já nosso conhecido da família ARM11. Recordando o leitor, este processador utiliza um pipeline de 8 estágios, o que permite ao processador procurar uma ou mais instruções além da próxima a ser executada, sendo que essas instruções são colocadas numa fila de espera dentro do processador onde aguardam a altura da sua execução.

Recapitulando… a nova versão do Pi foi melhorada, é um facto! Mas apesar de este continuar a ser um projecto interessante, serei a única a ter esperado um pouco mais desta nova versão? O modelo B+ continua a ter um CPU de 700MHz e 512MB de memória. Admito que quando ouvi falar que seria lançada uma versão melhorada pensei automaticamente que melhorariam também um pouco a memória e o processador deste projecto.

Isto porque a Humming Board, criada em 2011 pela Solid Run, um dos concorrentes directos do Raspberry Pi, teve numa das suas versões iniciais logo um processador de 1GHz (versão base com 512MB de memória e versão intermédia com 1GB).  Esta concorrente é de facto um pouco mais cara que o Pi mas tem conseguido ganhar adeptos e conquistar um lugar de topo nos rivais do mini computador mais famoso destes últimos anos. A Humming Board pode suportar um processador quad-core e até 2GB de RAM.

A nível de sistema operativo é indiferente qual o modelo Raspberry que utiliza, pois os três modelos (versão A, B e B+) são compatíveis com qualquer um dos disponíveis. Os mais utilizados continuam a ser as versões dos sistemas operativos Raspbian e o Noobs.

Características à parte, a verdade é que o Raspberry Pi continua fiel a si próprio, sempre no intuito de levar a todos, de forma relativamente simples e económica, o contacto pelas tecnologias incentivando à aprendizagem da programação logo desde os primeiros anos de vida. Objectivo esse que tem sido alcançado.

Resta dizer que a Fundação Raspberry adiantou que a versão melhorada do Raspberry Pi modelo B, o B+ estará no mercado pelo mesmo preço da versão anterior.