António Pedro Cunha Santos

Com uma enorme paixão por tecnologia, autodidacta desde tenra idade, cresceu com o ZX Spectrum. Tem vasta experiência em implementação e integração de sistemas ERP, CRM, ERM, BI e desenvolvimento de software por medida nas mais diversas linguagens. Diplomado do Curso de Especialização Tecnológica em Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação pela ESTG-IPVC. Membro da Comunidade Portugal-a-Programar desde Agosto de 2007, é também membro da Sahana Software Foundation, onde é Programador Voluntário. Neste momento é aluno no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão no curso de Licenciatura em Engenharia Informática.
LinkedIn GitHub Twitter

Criação Rápida de Sites Responsivos com Bootstrap

Nesta edição, trazemos até vós leitores um livro de uma temática cada vez mais actual, uma vez que cada vez mais usamos a internet “em todo o lado”!

Cada vez mais a responsiveness de um site se tornou essencial ao sucesso de qualquer site, uma vez que a variedade de plataformas utilizadas para aceder, é cada vez maior e em constante mudança.

A framework de front-end Bootstrap, dispensa grandes apresentações, e neste momento é a mais popular framework de front-end, o que torna o livro ainda mais pertinente!

Continuar a ler

O vale da sombra do ; “ponto-e-vírgula”

Existem diversas expressões para se referirem a “horas negras”, locais temíveis, etc… etc… etc… Mas entre todos os adeptos de tecnologia, o mais universal e conhecido, creio que seja o “vale da sombra do ponto-e-vírgula”, por onde, todos aqueles que escrevem código, acabam por passar, uma e outra vez, seja a “voar” no ANSI-C, passando pelo Java, o C++, o PHP e o C#, para não falar em todas as outras linguagens…

Verdade se diga que algures, em algum momento na nossa vida de tecnologia, passaremos por esse “vale profundo”, onde reina a escuridão da sombra do ponto-e-vírgula e dos erros de compilação, onde a linha apontada pelo compilador nada tem a ver com a linha onde verdadeiramente falta o dito cujo mal-afamado ponto-e-vírgula!

Continuar a ler

Computação em Grelha, cross-platform usando BOINC

Ao longo de diversas edições fui escrevendo sobre clusters recorrendo ao SBC (single board computer) Raspberry Pi. Tendo em conta que cada vez existem mais dispositivos inteligentes (smart devices), dei por mim a pensar no eventual uso de tais dispositivos, que passam uma parte substancial do seu tempo de “vida útil” em “idle” (sem utilização, mas ainda assim ligados), para tarefas de computação. Algo parecido com o SETI@Home, de há uns anos atrás, quando eu era bem mais novo e a internet por cá, ainda chegava por “dial-up”.

É resumidamente isso que vos apresento neste artigo! Uma plataforma simples de instalar e utilizar, dedicada à computação distribuída, utilizando diversas plataformas e diversos dispositivos, aproveitando o tempo destes equipamentos, quando estão por exemplo parados a carregar baterias ou ligados à corrente mas inactivos.

Continuar a ler

Cifras e mais Cifras

Neste artigo decidi “revisitar” um tema que sempre me despertou interesse e que tive de abordar num projecto que fiz em 2015. O objectivo era encriptar, de forma a que fosse possível desencriptar, dados, bastando para tal saber um conjunto de informações (identificador, chave e chave-mestra), uma vez que a cada dado, apenas corresponde um identificador (fechadura) e para se chegar à chave que acabará por abrir, são precisas duas chaves (chave e a chave-mestra). Quase como a caixa forte do tio patinhas e os irmãos metralha a tentar abrir, mas um pouco mais complexo!

Para fazer executar esta tarefa, o utilizador deve inserir um identificador, neste caso “porta”, um código a ser cifrado, uma chave para o cifrar e a respectiva chave par (chave-mestra). Quando pressionar o botão para cifrar, os dados introduzidos, serão utilizados para cifrar o “código” usando a chave e a chave-mestra, devolvendo o valor do código, cifrado.

Continuar a ler

Segurança Prática em Sistemas e Redes Com Linux

Um livro destinado a professores, estudantes, profissionais e interessados nesta temática, mais actual que nunca, aborda de forma concisa e prática os conceitos teóricos subjacentes ao tema, de forma bastante sintética, mas sem perder a essência do que é mais relevante, para quem se “aventura” nesta temática, bem como para quem pretende consultar informação.

Ao longo de onze capítulos, são abordados temas como encriptação, recorrendo a PGP (Pretty Good Privacy), certificados digitais (x.509), acessos remotos utilizado SSH, evoluindo para temáticas mais abrangentes como segurança em servidores HTTP, protecção de servidores, recorrendo a mecanismos e firewall, protecção de redes, segurança em redes sem fios, redes privadas virtuais (VPN), detecção e prevenção de intrusões, terminando na temática da auditoria, que apesar de abordada e forma breve (em cerca de 30 páginas), é abordada, tendo em conta a delicadeza do tema.

Continuar a ler

SoftEther VPN Project, implementação em Windows, GNU/Linux, MacOS, Android, iOS

É comum falar-se em VPNs, de forma a que pareçam complexas, caras e difíceis de configurar, mas como veremos ao longo deste artigo, são até fáceis de configurar e de instalar, até mesmo em dispositivos móveis.

O que é?

Uma VPN é uma virtual private network, ou seja, uma rede virtual privada em que a comunicação dentro da mesma é encriptada ponto-a-ponto.

Continuar a ler

Entrevista a Bruno Horta

Revista PROGRAMAR (RP): Fala-me um pouco de ti e do teu percurso na tecnologia.

Bruno Horta (BH): Bem aos 14 anos os meus pais deram-me o meu primeiro computador, até a data apenas tinha mexido um Spectrum 128k de uns amigos, no entanto depois daquele dia que recebi o meu computador e podia explorar o mesmo 24 horas por dia, foi isso mesmo que fiz, a maioria das noites nem dormia, depois disso nunca fiz nada que não estivesse relacionado com tecnologia, aos 16 anos era programador de HTML, Javascript e Perl, depois passei para o hardware onde tive cerca de 10 anos, fazia reparações ao nível da eletrónica, depois de terminar a licenciatura voltei de novo com toda a força para o mundo da programação, mas agora com conhecimento em ambas as partes que constituem um computador podia fazer maravilhas e criar o meu próprio hardware com o meu próprio software… agora sim o mundo é maravilhoso.

Kernel Panic: Fatal Exception

Existem imensas piadas, umas mais elaboradas outras menos elaboradas, em volta de “exceptions” (excepções)! Uma excepção, indica mais do que ser uma “excepção”, indica algo que não correu como esperado, ou como previsto, ou como suposto, em suma “como”! ;)

No meio de tantas excepções (exceptions), e sem “entrar em pânico”, afinal não somos um “kernel” qualquer, aparece a “exception” à regra, que somos todos que lê-mos a PROGRAMAR, escrevemos, participamos, dedicamos o nosso tempo à comunidade! Somos a “exception”, que alguns acham “fatal exception”, sem retornar e sem “catch”, numa espécie de loop interminável!

Continuar a ler

Raspberry Pi Hadoop

Continuando as “aventuras” com o Raspberry Pi e a temática do processamento paralelo e distribuído, sobre o qual escrevi na edição 48 em Março de 2015, decidi desta vez trazer uma outra temática interessante, para quem gosta destas “aventuras”. Desta vez em vez de ser MPICH será Apache Hadoop!

Ao longo deste artigo, em que se prevê que o leitor não disponha de conhecimento prévio sobre Hadoop, irá ser montado um cluster Apache Hadoop, recorrendo a unidades Raspberry Pi, e executados alguns exemplos demonstrativos.

Continuar a ler