Arquivo da Categoria: Electrónica

Artigos da secção “Electrónica”.

Up-ciclar a Velhinha Aparelhagem Hi-Fi

Introdução

É comum ouvir falar em reciclar objectos, equipamentos, etc… referindo-se ao envio para desmontagem e reciclagem de materiais. Claro que a reciclagem e os três Rs, são algo de bom que podemos fazer pelo ambiente. No entanto este artigo foca-se no “up-cicle”, que basicamente consiste no processo de pegar num equipamento já obsoleto, mas ainda funcional e acrescentar-lhe funcionalidades, de forma a torná-lo novamente útil.

Ao longo deste artigo iremos construir o circuito para transmissão de áudio e web-rádio para um equipamento Hi-Fi padrão, de forma a mantermos o equipamento “actualizado”, na actualidade tecnológica! No caso concreto em que isto foi feito, teve por objectivo aproveitar uma antiga aparelhagem Hi-Fi, já com uns bons anos, mas que ainda tem um bom amplificador áudio e umas boas colunas e alguns efeitos de equalização merecedores de “alguma extensão de vida”. Este projecto foi num instructable, bastante interessante, sobre este mesmo tema e inspirado no “up-cycle” do Bem Heck show.

Hardware

Neste projecto será usado um NodeMCU e um Módulo VS1053, ambos disponíveis na net. A corrente neste caso concreto é fornecida por uma derivação da alimentação do leitor de cassetes áudio, neste caso o equipamento “up-ciclado”, tinha uma saída de 5V DC que foi aproveitada para este efeito.

NodeMCU e Telegram Bots

Introdução

Existem imensas formas interessantes de colocar um equipamento a comunicar, de forma mais ou menos simples. Na edição 51, foi abordada esta temática mais focada na utilização de sockets, para comunicar com o dispositivo. Continuando um pouco a temática, desta feita, é sobre a utilização do popular software de chat Telegram, utilizando chatbots, para comunicar com o circuito.

O Telegram, é um popular serviço de mensagens instantâneas, baseado na nuvem, disponível para a esmagadora maioria dos sistemas operativos, bem como em formato de aplicação web. Entre as muitas características que o podem destacar, convém realçar o facto de ser de código aberto, possuir criptografia ponto-a-ponto, e um serviço de APIs independentes. Além de tudo isso, existem bibliotecas para o uso do telegrama na internet das coisas (IoT), como é o caso da Universal Telegram Bot Library.

Continuar a ler

O problema da falta de GPIO pins

Introdução

Numa esmagadora maioria dos circuitos usados em IoT e em automação de uma forma geral, como o caso do Arduino/Genuino, existem algumas limitações em termos de pinos analógicos, que nos podem complicar a tarefa de ligar sensores. Por exemplo, no Arduino/Genuino Uno, apenas são disponibilizados 6 pinos analógicos que vão de A0 a A5, respetivamente.

Continuar a ler

Criptografia e segurança por hardware com Arduino/Genuino ou outros sistemas por I2C

Introdução ao problema

Cada vez mais se lêem notícias sobre os perigos da internet das coisas, desde um ataque massivo de negação de serviço distribuída (Distributed Denial of Service) que excedeu larguras de banda de 799Gbps, até botnets de dispositivos IoT, etc…

Uma das preocupações de quem desenvolve produtos IoT, sejam software, hardware ou ambos, acaba por ser a segurança desses dispositivos, e até que ponto a segurança por software é suficiente num dispositivo que pode controlar por exemplo, um sistema de alarme, ou o controlo de aquecimento, etc…

Continuar a ler

Introdução ao Arduino

Está na moda o conceito Internet of Things, que se refere à capacidade de interagir com dispositivos físicos, obtendo informação/métricas (e.g., temperatura, humidade, etc.) e enviando comandos/acções (e.g., abrir porta, ligar ar condicionado, etc.).

O conceito, que não é novo, implica colaboração entre profissionais de electrónica, programadores e até DBAs. Este workshop é adequado para programadores e DBAs que têm poucos conhecimentos de electrónica, dando-lhes uma introdução à utilização de Arduino (actualmente referido como Genuino na Europa), uma das mais conhecidas plataformas de electrónica utilizada nesta área.

Continuar a ler

Automação com GENUINO

Introdução

A plataforma Genuino, tornou-se bastante popular ao longo dos anos, sendo uma das plataformas mais usadas em projectos de IoT e automação, tanto pelo seu baixo custo como pela sua capacidade de processamento e de I/O (input/output). Para os leitores que estão menos familiarizados com este tema, o Genuino é análogo da marca Arduino.cc, tendo sido criado pelos co-fundadores do Arduino Massimo Banzi, David Cuartielles, Tom Igoe e David Mellis. Na prática, o Genuino é usado para as boards vendidas fora dos EUA.

Isto é, a marca Genuino certifica também a sua autenticidade com a filosofia de hardware aberto e de código aberto que sempre caracterizou os valores do Arduino. As placas Genuino e Arduino partilham os mesmos componentes e as mesmas características. São as mesmas boards, mas a “marca” do circuito é determinada pelo país. O Arduino é comercializado dentro dos EUA e o Genuino fora dos EUA.

Continuar a ler

Aquisição de dados via TCP/IP com Genuino (Arduino)

Introdução

Recentemente a tão conhecida marca Arduino , fundada por Massimo Banzi, David Cuartielles, Tom Igoe e David Mellis e toda uma comunidade, sofreu uma mudança de nome, para os produtos destinados a outros mercados fora dos EUA, passando a usar o nome Arduino apenas nos EUA e o nome Genuino, em todos os restantes mercados. Falo em marca, pois não se refere apenas a uma board, mas a toda uma “marca” de circuitos baseados em microcontroladores e projectos com base numa mesma filosofia de open-hardware. Não me alongando mais sobre o tema, esta mudança teve origem numa questão legal, que é muito bem apresentada por Maximo Banzi, no keynote que apresentou na Maker Fair e pode ser visto no youtube. Assim sendo, de agora avante, neste artigo, o circuito anteriormente conhecido por Arduino, será designado por Genuino.

Continuar a ler

Um “cofre” para passwords simples e de baixo custo

Introdução

Um dos mais comuns e mais falados problemas de segurança de um sistema de informação são as passwords sem “qualidade” muitas vezes motivadas pela dificuldade de memorização das mesmas.

De forma a enquadrar o leitor, cada password deve ter um comprimento adequado e preferencialmente não ser previsível. Por exemplo, uma password como 1979aMelhorGeracaoDeSempre! (27 caracteres), é previsível se considerarmos que o utilizador nasceu em 1979 e possivelmente falará imenso desse facto gabando a sua geração. Neste caso, apesar de ser fácil de memorizar, é relativamente simples de “adivinhar”, ou melhor deduzir, por parte de alguém que pretenda obter acesso ao sistema no qual o utilizador em causa usa esta password.

Por outro lado, passwords com qualidade como: zb8@g-DMK&7@%pRyhE45DhbbPs$!angSRhHNUenBpu4AZ4+$KLA-gcJFYfdwV=yN$RXw6TmD-YTpBf9?dWRkRAXu35XhwE=d*!vt53-m8dq34fmr?cCAv#k#u*gsSdgg (128 caracteres), apesar de serem praticamente impossíveis de deduzir, são demasiado complexas para serem memorizadas, tornando o seu uso difícil e praticamente inviável.

Continuar a ler

Conexão de Arduino ao Unity

O mundo da tecnologia é motivado e “limitado” pela imaginação de cada um. Desta feita o artigo desta edição prende-se com a ligação de um micro-controlador Arduino ao conhecido Game Engine Unity.

O objetivo deste artigo é explicar como proceder à ligação de um micro-controlador Arduino ao Unity e usar este como uma espécie de “comando” para o jogo criado no Unity. Será um exemplo extremamente simples que resultará no controlo de um simples sprite no eixo do X sem qualquer animação especial.

Continuar a ler