LUA – Linguagem de Programação

Provavelmente se o leitor ouvir alguém falar em LUA, irá logo pensar no planeta satélite que o astronauta Neil Armstrong teve o privilégio de pisar pela primeira vez. No entanto neste artigo iremos falar de algo bem diferente, mais ao alcance de uma pessoa comum…

História e Características

A LUA foi desenvolvida em língua portuguesa por uma equipa de programadores do departamento Tecgraf da Universidade Católica do Rio de Janeiro, em código open-source. O objectivo inicial foi a gestão de um projecto industrial da Petrobras.

Graças à sua portabilidade, facilidade de aprendizagem, rapidez e eficiência, rapidamente cresceu para outras áreas de programação, estando actualmente a fazer parte de aplicações informáticas de grande porte.

Continuar a ler

Segurança em Sistemas Distribuídos

Introdução

lá vai o tempo em que era necessário comprar um supercomputador para realizar tarefas mais complexas. Hoje em dia tudo faz mais sentido quando a mesma tarefa é processada em paralelo por vários computadores, ou quando os mesmos periféricos são acedidos por vários terminais em simultâneo. Daí o conceito de Sistema Distribuído.

O que é um Sistema Distribuído—Definição

Sistema Distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados através de uma rede de computadores, que se apresenta ao utilizador como um sistema único e consistente. Por exemplo, uma tarefa qualquer a executar, se for feita por um conjunto de computadores a computação é distribuída por todos e não apenas por um, não sendo necessária sobrecarga de processamento.

Continuar a ler

Microcontroladores: Protocolos SPI

Este artigo foi criado com o intuito de apresentar o protocolo SPI aplicado à comunicação entre microcontroladores e periféricos. Como interface será usada um a aplicação feita em Visual Basic.

Protocolos SPI

Visto os recursos disponíveis num microcontrolador serem limitados, por vezes há necessidade de os expandir. Assim, existem circuitos integrados com as mais variadas funções: memórias EEPROM, shift registers, conversores A/D… Para se poder comunicar com estes periféricos é necessário um protocolo de comunicação para que “ambas as partes se entendam”. Dos muitos protocolos disponíveis, um que foi massivamente adoptado para comunicação entre microcontroladores e periféricos externos foi o SPI (Serial Peripheral Interface).

Continuar a ler

Moodle: Uma plataforma de eLearning

O que é o Moodle?

O Moodle é uma ferramenta que possibilita a gestão de aprendizagens e de trabalho colaborativo, permitindo a criação e gestão de cursos online em torno de comunidades com objectivos educativos. A ideia inicial foi de Martin Dougiamas, que em 1999 pensou criar o Moodle, sem qualquer objectivo comercial, pois acredita nas potencialidades do ensino e da construção do conhecimento através da internet. Depois de algumas tentativas iniciais é em Agosto de 2002 que sai a versão 1.0 do Moodle. A partir daí a comunidade Moodle tem crescido bastante e são cada vez mais as escolas, universidades, centros de formação, empresas e organizações a utilizar esta ferramenta. Em Portugal (que regista já um total de 858 Moodles registados) tem-se verificado uma grande adesão de várias escolas e centros de formação a esta ferramenta. Esta “moda” deve-se essencialmente à sua facilidade de uso, acompanhada da ausência de custos com o software, bem como ao novo Quadro de Referência da Formação Contínua de Professores na área das TIC.

Continuar a ler

Revista PROGRAMAR nº 8 — Maio 2007

Dois meses passaram desde o último lançamento da Revista PROGRAMAR e muito temos evoluído no que toca á organização. Com esta edição demos mais alguns passos no sentido do profissionalismo.

Nesta edição poderá encontrar, entre muitos outros assuntos, Programação em LUA, Protocolos SPI, Segurança em Sistemas Distribuídos e ainda uma análise ao Ubuntu 7.04 Feisty Fawn. Para mais informações consulte a lista completa.

Criar, Agir e Apresentar

Nos vários eventos por onde tenho passado, um tema tem sido recorrente: a inovação em Portugal ou, com o alguns indicaram, a falta dela. O exemplo mais apresentado era no desenvolvimento de aplicações web, uma área que actualmente está em franco desenvolvimento. Todos os dias surgem novas e originais aplicações, mas ainda é raro encontrar uma equipa portuguesa envolvida. Foram apresentadas várias explicações para esta greve de criação: a localização (cada vez menos importante), a mentalidade, a falta de investimento e, principalmente, a falta de coragem. Cada vez mais se pensa duas vezes antes de se atirar de cabeça nalgum projecto arriscado. No entanto, o melhor caminho apresentado para o sucesso foi mesmo “tentar” (muitas vezes), dedicar-se a um projecto e fazer tudo para que vingue. Fica aqui o incentivo a todos os portugueses que estiverem a ler, se mesmo com toda a dedicação não obtiverem resultados (o que poderá acontecer muitas vezes), aprendam com a experiência e avancem para novas ideias. Mas tentem…

Continuar a ler