Arquivo de etiquetas: electrónica

Up-ciclar a Velhinha Aparelhagem Hi-Fi

Introdução

É comum ouvir falar em reciclar objectos, equipamentos, etc… referindo-se ao envio para desmontagem e reciclagem de materiais. Claro que a reciclagem e os três Rs, são algo de bom que podemos fazer pelo ambiente. No entanto este artigo foca-se no “up-cicle”, que basicamente consiste no processo de pegar num equipamento já obsoleto, mas ainda funcional e acrescentar-lhe funcionalidades, de forma a torná-lo novamente útil.

Ao longo deste artigo iremos construir o circuito para transmissão de áudio e web-rádio para um equipamento Hi-Fi padrão, de forma a mantermos o equipamento “actualizado”, na actualidade tecnológica! No caso concreto em que isto foi feito, teve por objectivo aproveitar uma antiga aparelhagem Hi-Fi, já com uns bons anos, mas que ainda tem um bom amplificador áudio e umas boas colunas e alguns efeitos de equalização merecedores de “alguma extensão de vida”. Este projecto foi num instructable, bastante interessante, sobre este mesmo tema e inspirado no “up-cycle” do Bem Heck show.

Hardware

Neste projecto será usado um NodeMCU e um Módulo VS1053, ambos disponíveis na net. A corrente neste caso concreto é fornecida por uma derivação da alimentação do leitor de cassetes áudio, neste caso o equipamento “up-ciclado”, tinha uma saída de 5V DC que foi aproveitada para este efeito.

Otimizando os sistemas embebidos

Recentemente calhou em conversa com um amigo meu sobre programação de sistemas embebidos, visto que ele estava a avançar com um projeto muito interessante com um equipamento semelhante ao Arduino. Esta conversa relembrou-me os tempos em que programava em ANSI C (de 89) num LPC2106 da Phillips e aos tempos que andava a aprender ANSI C (de 89) e o belo do assembly, e surgiu a ideia para este artigo.

Quando alguém começa a programar num Arduino (ou equipamentos semelhantes) vai seguindo os exemplos que vai encontrando e vai adaptando às usa necessidades. No entanto, mais cedo ou mais tarde, vai querer implementar uma ideia que teve e, quem sabe, mais tarde transformar essa solução num produto que possa comercializar. A ideia deste artigo é oferecer um conjunto de técnicas e de pontos de interesse a ter em atenção por forma a maximizar os recursos que já têm, reduzindo o “desperdício” dos recursos.

Continuar a ler

NodeMCU e Telegram Bots

Introdução

Existem imensas formas interessantes de colocar um equipamento a comunicar, de forma mais ou menos simples. Na edição 51, foi abordada esta temática mais focada na utilização de sockets, para comunicar com o dispositivo. Continuando um pouco a temática, desta feita, é sobre a utilização do popular software de chat Telegram, utilizando chatbots, para comunicar com o circuito.

O Telegram, é um popular serviço de mensagens instantâneas, baseado na nuvem, disponível para a esmagadora maioria dos sistemas operativos, bem como em formato de aplicação web. Entre as muitas características que o podem destacar, convém realçar o facto de ser de código aberto, possuir criptografia ponto-a-ponto, e um serviço de APIs independentes. Além de tudo isso, existem bibliotecas para o uso do telegrama na internet das coisas (IoT), como é o caso da Universal Telegram Bot Library.

Continuar a ler

Internet das Coisas – Introdução Prática

Desde há anos que se têm vindo a desenvolver equipamentos e soluções com ligação à internet e intranets, para as mais diversas funcionalidades. Muito do que anteriormente era conhecido como automação agora é chamado de internet das coisas.

Neste livro o autor apresenta a temática da internet das coisas (IoT), mantendo um foco bastante prático ao longo dos capítulos. Começa com uma introdução, que incluiu uma breve história da internet das coisas, e procede apresentando algumas das tecnologias disponíveis, abordando alguns pontos de maior interesse, como o caso de machine learning.

Continuar a ler

Tinker Board

Tinker BoardHoje trago até vós caros leitores, um artigo sobre a Tinker Board. Os leitores mais acérrimos certamente sabem que sou uma fã incondicional da família Raspberry Pi. Ora a Tinker Board, é uma concorrente séria ao Raspberry Pi 3. Capaz de desviar o olhar dos fãs mais convictos, como é o meu caso. De uma forma rápida e sem rodeios, esta nova aposta da ASUS desvia-nos o olhar porque apesar de ser ligeiramente mais cara que o Pi 3, as vantagens são maiores do que a diferença de preço entre os dois modelos.

Lançada em Fevereiro de 2017 (de uma forma um pouco “atabalhoada” uma vez que houve distribuidores que a começaram a vender antes da data oficial de lançamento, o que obrigou a um rápido lançamento por parte do departamento de Marketing da ASUS), está disponível na Europa por valores entre os 65€ e 70€. Este micro computador tem um processador quad-core Rockchip RK3288 e gráficos ARM Mali-T764.

Continuar a ler

Criptografia e segurança por hardware com Arduino/Genuino ou outros sistemas por I2C

Introdução ao problema

Cada vez mais se lêem notícias sobre os perigos da internet das coisas, desde um ataque massivo de negação de serviço distribuída (Distributed Denial of Service) que excedeu larguras de banda de 799Gbps, até botnets de dispositivos IoT, etc…

Uma das preocupações de quem desenvolve produtos IoT, sejam software, hardware ou ambos, acaba por ser a segurança desses dispositivos, e até que ponto a segurança por software é suficiente num dispositivo que pode controlar por exemplo, um sistema de alarme, ou o controlo de aquecimento, etc…

Continuar a ler

Introdução ao Arduino

Introdução

É objectivo deste artigo dar a conhecer o Arduino. Esta “ferramenta” com enormes potencialidades, que pode ser utilizada por todos, tenham ou não conhecimentos de electrónica devido à sua enorme simplicidade de utilização.

O Arduino tem ainda muita margem de desenvolvimento, começando como um pequeno projecto educacional evoluindo até aos dias de hoje. Dentro das suas vantagens pode-se encontrar o facto de ser open-source, correndo em ambiente Linux, Macintosh e Windows, tendo ainda o aliciante de ser bastante económico comparativamente com “ferramentas” de iguais funcionalidades disponíveis no mercado.

Para apresentar este tema com maior simplicidade, o que não significa menor rigor, torna-se necessário dividí-lo em duas partes distintas: hardware e software, e fazer a sua ligação.

Continuar a ler