Pseudorandom Number Generators (PRNGs)

Pseudo-random Number Generators, ou simplesmente PRNGs, são algoritmos para geração de números com propriedades semelhantes à dos números aleatórios (random numbers). Os PRNGs produzem sequências de números aparentemente independentes, normalmente seguindo uma distribuição uniforme, com base numa expressão matemática. São normalmente definidos pelos seguintes aspetos: o seu output é determinístico, periódico e depende de um valor de inicialização, conhecido como seed. Este tipo de algoritmos (os PRNGs) são normalmente mais rápidos que a geração de números realmente aleatórios no /dev/random ou /dev/urandom (por exemplo, disponíveis numa distribuição Linux), uma vez que o SO usa o input de dados de interfaces de hardware, e.g., o rato, tráfego de rede da NIC (Network Interface Controller), etc.

Um outro exemplo de um true random number generator é o random.org, onde são usados dados de ruído atmosférico como input de aleatoriedade.

Continuar a ler

Algoritmo Back-Propagation

Nesta edição trazemos até vós, caros leitores, uma abordagem ao algoritmo de backpropagation. Este algoritmo foi desenvolvido nos anos 80 por Rumelhant, Hinton e Williams e é um dos algoritmos mais conhecidos das redes neuronais.

De forma a melhor introduzirmos o tema, uma rede neuronal artificial é inspirada no funcionamento nosso próprio sistema funcional enquanto humanos. Ou seja, é uma rede que aprende a cada experiência vivenciada. Um dos constituintes principais do sistema nervoso humano é o neurónio. Esta célula é responsável pela condução dos impulsos nervosos, e comunicam entre si através de sinapses. Por sua vez a sinapse é a região onde dois neurónios entram em contacto entre si, sendo que os impulsos recebidos, por exemplo, pelo neurónio X, são processados passando a informação resultante ao neurónio Y por meio de uma substância neurotransmissora. Sem querer alongar muito este tema biológico, podemos apenas dizer que os neurónios são formados por dendritos (funcionam como terminais de entrada), pelo corpo central (onde ocorre o processamento) e pelos axónios (que por sua vez funcionam como terminais de saída).

Continuar a ler

Up-ciclar a Velhinha Aparelhagem Hi-Fi

Introdução

É comum ouvir falar em reciclar objectos, equipamentos, etc… referindo-se ao envio para desmontagem e reciclagem de materiais. Claro que a reciclagem e os três Rs, são algo de bom que podemos fazer pelo ambiente. No entanto este artigo foca-se no “up-cicle”, que basicamente consiste no processo de pegar num equipamento já obsoleto, mas ainda funcional e acrescentar-lhe funcionalidades, de forma a torná-lo novamente útil.

Ao longo deste artigo iremos construir o circuito para transmissão de áudio e web-rádio para um equipamento Hi-Fi padrão, de forma a mantermos o equipamento “actualizado”, na actualidade tecnológica! No caso concreto em que isto foi feito, teve por objectivo aproveitar uma antiga aparelhagem Hi-Fi, já com uns bons anos, mas que ainda tem um bom amplificador áudio e umas boas colunas e alguns efeitos de equalização merecedores de “alguma extensão de vida”. Este projecto foi num instructable, bastante interessante, sobre este mesmo tema e inspirado no “up-cycle” do Bem Heck show.

Hardware

Neste projecto será usado um NodeMCU e um Módulo VS1053, ambos disponíveis na net. A corrente neste caso concreto é fornecida por uma derivação da alimentação do leitor de cassetes áudio, neste caso o equipamento “up-ciclado”, tinha uma saída de 5V DC que foi aproveitada para este efeito.

De DataTable para ficheiro CSV (mais comum do que seria agradável)

Tal como o título sugere, é mais comum do que seria “agradável”, ter de fazer transformações de dados de DataTable, para ficheiros CSV separados por vírgulas ou ponto-e-vírgula, para se transferirem dados nas mais diversas situações! Seria muito mais agradável usar um formato tipo XML ou mesmo JSON do que usar CSV! No entanto o CSV está para ficar, tendo em 2005 sido alvo de RFC para formato comum e Mime Type para transferência de ficheiros (RFC4188).

Ao longo do artigo será apresentada uma classe, bastante simples para escrever dados oriundos de uma DataTable para ficheiro em formato CSV de acordo com o RFC4180 e posteriormente em formato CSV separado por ponto-e-vírgula, conforme é comummente usado para transferência de dados entre sistemas “legados”.

Os dados armazenados num objecto do tipo DataTable, encontram-se num formato suportado pela framework .Net para armazenamento em memória. Como se trata de um objecto existem diversos métodos bastante úteis que podem ser chamados. Muitos deles bastante úteis quando se pretende trabalhar com os dados em memória. No entanto a classe DataTable não tem suporte para escrita de ficheiros CSV.

Continuar a ler

A “Arte da Guerra” e a tecnologia

É possível que para muitos o título possa parecer de uma estranheza absurda, quase atroz talvez, ou mesmo sem nexo. No entanto o título indica exactamente o que é pretendido, ao abordar a aplicação de um livro que data do século V AC, escrito por um estratega militar chinês, Sun Tzu.

O que pode ter um texto sobre guerra a ver com software? Talvez mais do que se imagina, pois muitos dos princípios descritos no livro, têm uma aplicação bastante mais vasta que a vertente bélica, havendo inclusive já estudos sobre a aplicação desses princípios a vertentes como a gestão e o negócio.

O livro, encontra-se dividido em treze capítulos, cada um dedicado a um aspecto concreto, que apesar da amplitude do texto, denota sempre a vertente bélica do mesmo. No entanto isto não invalida a sua aplicação ao software! Ora vejamos.

Continuar a ler

Cursores: O Bom, o Mau e o SQL…

O Bom

Uma simples query SQL permite visualizar informação (retornada em formato tabular), sendo essa informação lida por um qualquer programa (app, site, etc.). Mas o que acontece se quisermos que o próprio motor SQL trate a informação?

Consideremos uma tabela de colaboradores duma empresa. Todos os meses temos que processar o ordenado. Para isso executamos algo (e.g. um stored procedure), que tem toda a “magia” e complexidade lá dentro. Mas precisamos de executar tantas vezes quantos registos tivermos. Isso não é possível com um simples SELECT.

Aqui entram os cursores. São uma figura demoníaca muito mal tratada, mas que se virmos bem são até bastantes simples.

Continuar a ler

Desenvolvimento em Swift para iOS

Nesta edição vamos fazer a review do Livro Desenvolvimento em Swift para iOS escrito por Luís Marcelino e Catarina Silva, ambos professores no Politécnico de Leiria e co-autores do livro Desenvolvimento em iOS – iPhone, iPad e iPod Touch – Curso Completo, também editado pela FCA.

Ao longo de dez capítulos os autores constroem uma aplicação mobile recorrendo à linguagem Swift, permitindo de uma forma didática a introdução à programação de sistemas mobile iOS e à sua linguagem. Para poder tirar mais partido do processo de aprendizagem deste livro, o leitor necessita de ter acesso a um computador da Apple e ter instalado o XCode para poder seguir os exemplos.

Continuar a ler

Android: Bases de Dados e Geolocalização

Nesta edição trazemos até vós a review de um dos livros mais recentes da FCA Editora, o Android: Bases de Dados e Geolocalização de Ricardo Queirós. Como seria de esperar, este é um livro com a qualidade habitual que este autor já nos habituou. Direccionado para os profissionais de informática (e também para os entusiastas e curiosos) que queiram dar os primeiros passos na programação Android com destaque claro está para as bases de dados e geolocalização. Contudo devo dizer-vos que os leitores mais experientes no assunto, não ficarão desiludidos com este livro em particular, uma vez que os temas abordados têm todo o interesse, tenhamos 0 ou 10 anos de experiência nesta temática.

O livro é constituído por oito capítulos, sendo que os mesmos estão divididos por duas partes. A linguagem de programação usada nos exemplos dados é o Java.

Continuar a ler

Como criar um programa auto-replicativo em assembly, para GNU/Linux

A arte da criação de programas auto-replicativos parece estar perdida no tempo. Não podemos confundir um programa auto-replicativo com malware, cavalos de tróia, worms, etc. Um programa auto-replicativo não executa nenhum tipo de código para danificar hardware ou software, pelo contrário apenas tenta replicar-se de diversas formas ou métodos e é por norma escrito numa linguagem de baixo nível, como por exemplo assembly. A parte mais interessante e importante do programa ao contrário de um malware não é um pedaço de código para causar danos, mas antes pelo contrário apenas o código que per- mite que o programa se replique.

Apesar de muitas vezes se confundirem as duas tarefas, um programa auto-replicativo é uma forma de criatividade, engenho e inovação, com o objectivo de criar um programa que se consiga manter num sistema informático evitando ser apagado e replicando-se de forma inteligente, evitando a sua detecção e consequente remoção. É quase como fazer um avião de papel, ajustar as “asas”, o “nariz”, colocar ou não um “leme de cauda”, etc e atirar para ver que distância é percorrida antes de inevitavelmente aterrar, ou melhor, cair! Em momento algum se pretende que o programa, tal como o avião, dure “ad aeternum”, sendo o interesse apenas no lapso de tempo que ele durará até ser totalmente removido.

Continuar a ler